Insone

Noite enorme, enorme  . Tudo dorme, menos eu.   Tv. Livro. No fim, só café mesmo e teu nome insone madrugada afora..  Teu nome que não some.  Teu nome que ressoa na memória.Lembrança  amargamente doce e tão física.  Cruel.

Na madrugada nada me escapa. Silêncio interrompido pelo ranger de alguns portões, vozes alcoólicas  numa noite em coma. A clareza das coisas me  ensurdecem . Nada é tão real quanto a falta de sono. 

Livros dispersos na cama. Roupas pelo chão do quarto.   E eu,  espectro transparente do que me foge. Eu, vendo a vida de fora  enquanto sou puro fantasma.  Vagueio só por minhas cidades, por minhas ruas tão bifurcadas .

Enquanto o  café  esfria, o passado, visita indesejada, bate à porta, insistindo em reavivar tudo o que dolorosamente já havia deixado para trás..

 Tormenta.Não adormeço . 

É muito implorar por companhia e calma? 
Quero tanto afastar o medo .  
Quero tanto ser feliz que dói.
.
.
.

Amanhece . E minha insônia não resiste à mais um  dia de sol que bate em minha janela.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Calor.