Postagens

Sinto falta de te encontrar no meio do caminho, de abrir um sorriso e ver o nosso abraço parar o tempo. De escutar você dizer meu nome.. De como observou que eu mexo a boca de um jeito quando penso na palavra certa para te dizer.
 De como eu me sentia em casa  (e como não me sinto hoje em lugar algum).  Do jeito que seu cabelo tem uma faixa luminosa sob a luz...
Da cama aquecida . .. dos seus pés, de suas pernas, dos seus olhos , das suas mãos... Do futuro imaginado numa casinha no meio do nada , com jardim , lareira e café sempre fresquinho, onde receberíamos os amigos quando fôssemos velhos, onde contaríamos histórias aos nossos filhos e netos.  De pensar em coisas pra agradá-la, de sentir tua ansiedade e desassossego gritando no silêncio. De contemplar tua inteligência , provar tua timidez diante do meu olhar .

Mas  há  a saudade, de cada gesto, de cada poesia trocada e tocada em nós. De cada sono teu .
Mas  há a saudade.  E essa pesa bem mais que o desgosto de saber meu destino se…

Mordaça

Imagem
nenhuma corda é pérola,  nenhuma clausura, lar.
Desperte, flor, 
desse amor abusivo, 

Dessa corda que te aperta 
o pesçoco

Como se fosse um  colar.


Flor Garduño


já não te aguardo. 
adio-me.




Valter Hugo Mãe

CarroCÉU

Imagem
Em círculo. girando girando girando

Há horas Ela dança.

Tontura. ânsia. Agonia.
Para.
Abre os olhos.
  vomita  a vertigem do dia.

Calor.

Imagem
Calor. Respire.
Incômodo cansaço - do dia, da vida.

Deite-se.

O livro.

O gato à janela procura a  noturna brisa.

Na sala, alguém  rastreia canais na tv.  

É  primavera

Mas a noite morna , morna 
dá naúsea  e não flor. 


Nos teus ouvidos, Johnny Cash.


A noite  segue quente. 

Embora  esse céu escuro e esse frio no coração lhe afirmem  
o contrário.

O gato à janela.

 O livro.


Deite-se. 

Respire.

Adormeça.

Crise

Imagem
É, os tempos não estão mesmo fáceis para o sonhadores...

São mesmo dias truculentos, em que contos de fadas- repletos de cuidado estético, literário, lúdico-  são censurados por , supostamente, agredirem à infância com suas histórias carregadas de "violência"  e letras de músicas ( se é que assim, posso chamar), paupérrimas, linguisticamente falando :  dá sintaxe à semântica, elevam-se como objetos de denúncia às opressões, como mecanismos de conscientização política, social, história, de gênero, etc etc etc.
Estar a pensar nisso causa-me " cansaços"  dignos de Álvaro de Campos...  E só me resta acordar com um outro poeta, um menino que muito sabia..." Coisa que não acaba no mundo é gente besta e pau seco" ( manoel de Barros).
Não à toa, o mundo anda às avessas...



Intervalo (amor) oso

Imagem
O que fazer entre um orgasmo e outro, quando se abre um intervalo sem teu corpo?
Onde estou, quando não estou no teu gozo incluído? Sou todo exílio?
Que imperfeita forma de ser é essa quando de ti sou apartado?
Que neutra forma toco quando não toco teus seios, coxas e não recolho o sopro da vida de tua boca?
O que fazer entre um poema e outro olhando a cama, a folha fria?
É como se entre um dia e outro houvesse o vago-dia, cinza, vida igual a morte, amortecida.
O poema, avulso gesto de amor, é vão recobrimento de espaços. O poema é dúbia forma de enlace, substitui o pênis pelo lápis - e é lapso.

Affonso Romano de Sant'anna.