sábado, 31 de dezembro de 2011

Be Happy =D



Esta é a magia do tempo.
Esta é a colheita particular
que se exprime no cálido abraço e no beijo comungante,
no acreditar na vida e na doação de vivê-la
em perpétua procura e perpétua criação.
E já não somos apenas finitos e sós.
Somos uma fraternidade, um território, um país
que começa outra vez no canto do galo de 1º de janeiro
e desenvolve na luz o seu frágil projeto de felicidade.

Carlos Drummond de Andrade

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Daquilo que a gente Inventa : Que seja bom !




tempo de pensar madura e docemente
o bom de acontecer
(e mesmo não acontecendo fica desejado)

.Drummond

UM 2012 DE MUITA PAZ E LEVEZAS !!


E que tudo seja leve
De tal forma
 Q o vento nunca
leve 
                                                   ( C.F.A)

Ama-nheça




"Quando você se sentir sozinho, pegue o seu lápis e escreva. No degrau de uma escada, à beira de uma janela, no chão do seu quarto. Escreva no ar, com o dedo na água, na parede que separa o olhar vazio do outro. Recolha a lágrima a tempo, antes que ela atravesse o sorriso e vá pingar pelo queixo. E quando a ponta dos dedos estiverem úmidas, pegue as palavras que lhe fizeram companhia e comece a lavar o escuro da noite, tanto, tanto, tanto... até que amanheça."


(Rita Apoena)

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011



Dá-me um sorriso a brincar, 
dá-me uma palavra a rir, 
eu me tenho por feliz só de te ver 
e te ouvir.

( Fernando Pessoa )

sábado, 3 de dezembro de 2011

Daqueles sóis..


Claramente: o mais prático dos sóis,
o sol de um comprimido de aspirina:
de emprego fácil, portátil e barato,
compacto de sol na lápide sucinta.
Principalmente porque, sol artificial,
que nada limita a funcionar de dia,
que a noite não expulsa, cada noite,
sol imune às leis de meteorologia,
a toda a hora em que se necessita dele
levanta e vem (sempre num claro dia):
acende, para secar a aniagem da alma,
quará-la, em linhos de um meio-dia...

( João Cabral de Melo Neto - Num monumento À Aspirina)

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011



"...Não sei exatamente em que momento comecei a despertar.
Só sei que comecei a desejar menos entender de onde vim e a desejar mais
aprender a estar aqui a cada agora.
Só sei que descobri que a solidão é estar longe da própria alma.
Que ninguém pode nos ferir sem a nossa cumplicidade.
Que, sem que a gente perceba, estamos o tempo todo criando o que vivemos.
Que o nosso menor gesto toca toda a vida porque nada está separado. 
Que a é uma palavra curta que arrumamos para denominar essa amplidão que é o nosso próprio poder..."

[Ana Jácomo]

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Despedidas ..



Começo a olhar as coisas
como quem, se despedindo, se surpreende
com a singularidade
que cada coisa tem
de ser e estar.
Um beija-flor no entardecer desta montanha
a meio metro de mim, tão íntimo,
essas flores às quatro horas da tarde, tão cúmplices,
a umidade da grama na sola dos pés, as estrelas
daqui a pouco, que intimidade tenho com as estrelas
quanto mais habito a noite!
Nada mais é gratuito, tudo é ritual
Começo a amar as coisas
com o desprendimento que só têm os que amando tudo o que perderam
já não mentem.

( Affonso Romano de Sant'Anna )


Mas se ama também de outra forma, incerta,
e este o mistério:

- ilimitado o amor às vezes se limita,
proibido é que o amor às vezes se liberta.

( Affonso Romano de Sant'Anna )

domingo, 27 de novembro de 2011

E uma canção me consola.. = )


Caminhando contra o vento
Sem lenço e sem documento
No sol de quase dezembro
Eu vou...

|Caetano Veloso|

sábado, 26 de novembro de 2011




Não sinto nada mais ou menos, ou eu gosto ou não gosto. Não sei sentir em doses homeopáticas. Preciso e gosto de intensidade, mesmo que ela seja ilusória e se não for assim, prefiro que não seja.
Não me apetece viver histórias medíocres, paixões não correspondidas e pessoas água com açúcar. Não sei brincar e ser café com leite. Só quero na minha vida gente que transpire adrenalina de alguma forma, que tenha coragem suficiente pra me dizer o que sente antes, durante e depois ou que invente boas estórias caso não possa vivê-las. Porque eu acho sempre muitas coisas - porque tenho uma mente fértil e delirante - e porque posso achar errado - e ter que me desculpar - e detesto pedir desculpas embora o faça sem dificuldade se me provarem que eu estraguei tudo achando o que não devia.
Quero grandes histórias e estórias; quero o amor e o ódio; quero o mais, o demais ou o nada. Não me importa o que é de verdade ou o que é mentira, mas tem que me convencer, extrair o máximo do meu prazer e me fazer crêr que é para sempre quando eu digo convicto que "nada é para sempre."


|Gabriel Garcia Marquez|

Ser-tão Amado..

Sertão, argúem te cantô,
Eu sempre tenho cantado
E ainda cantando tô,
Pruquê, meu torrão amado,
Munto te prezo, te quero
E vejo qui os teus mistéro
Ninguém sabe decifrá.
A tua beleza é tanta,
Qui o poeta canta, canta,
E inda fica o qui cantá.

( Patativa do Assaré)

Eu te vejo mais fundo do que você me vê, porque eu te invento neste olhar.

|Caio Fernando Abreu|

sexta-feira, 25 de novembro de 2011


Ah, menina
 Aprenda a bordar lantejoulas de ternura ..
No Ves-ti-do-da-vida.

|Lane|

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Você-vai-rir-sem-perceber...



                                 Felicidade é só Questão de Ser.


Às vezes uma chuva molhada é uma coisa boa para escorregar momentos em direcção a mim. quando uma chuva molhada cai sobre o mundo redondo, as coisas da vida e a vida das coisas encontram-se num quintal vasto. foi sob uma chuva molhada em canduras que encontrei as barbas do meu pai num poema e o sorriso da minha mãe noutro. foi nas entrelinhas dum poema ensopado que encontrei, várias vezes, a autorização interna pra falar a palavra amor [vou tentar não apagar isto: eu tenho certo receio da palavra amor, espero só que ela não me tenha receios também; seria triste].



|Ondjaki|

Materiais para confecção de um espanador de tristezas


tinha aprendido que era muito importante criar desobjectos.

certa tarde, envolto em tristezas, quis recusar o cinzento. não munido de nenhum artefacto alegre, inventei um espanador de tristezas.


era de difícil manejo – mas funcionava.


|Ondjaki|


quarta-feira, 23 de novembro de 2011




O essencial é saber ver, mas isso, triste de nós que trazemos a alma vestida,
isso exige um estudo profundo, aprendizagem de desaprender.
Eu prefiro despir-me do que aprendi,
eu procuro esquecer-me do modo de lembrar que me ensinaram
e raspar a tinta com que me pintaram os sentidos,
desembrulhar-me e ser eu.

Alberto Caeiro

Sobre-o-Amor.



O amor é infantil. Uma alegria de se entornar pela casa e se despreocupar com a arrumação. Ser adulto estafa, a recolher os brinquedos escondidos na areia sem ao menos ter brincado. O amor é insuportavelmente tolo. Quem não é tolo não permite carícias. O amor não cansa de caminhar como a luz, não cansa de barulho como a chuva, não cansa de repetir as lembranças como o fogo."

Fabricio Carpinejar



Eterna é a flor que se fana
se soube florir
(...)
é o gesto de enlaçar e beijar
na visita do amor às almas


[ Drummond]

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Para pisar um chão com Estrelas...



imitando-me ao morcego
intimidei o dia a ser mais vertical.
assim o céu ganhou pés
a terra experimentou alturas.
apressas, pedi:
uma noite se antecipasse.
transfigurando conceitos
o palco do mundo vincava-se
de novas encenações.
estrelas chegaram.
lua teve dúvidas para posicionar-se.
encaminhando
andei sobre o céu sob meus pés.
assim revelei-me:
nunca é impossível
pisar um chão de estrelas.
...
logo-logo:
um grilo atirou-se a sorrisos.


(Ondjaki in Há Prendisajens com o Xão)

domingo, 13 de novembro de 2011


A poesia está guardada nas palavras – é tudo que eu sei.

Meu fado é o de não saber quase tudo.
Sobre o nada eu tenho profundidades.
Não tenho conexões com a realidade.
Poderoso para mim não é aquele que descobre ouro.
Para mim poderoso é aquele que descobre as insignificâncias
(do mundo e as nossas).
Por essa pequena sentença me elogiaram de imbecil.
Fiquei emocionado e chorei.
Sou fraco para elogios.

(Tratado Geral das Grandezas do Ínfimo- Manoel de Barros )

A flor mais Grande do Mundo




Linda essa animação com o livro infantil do Saramago ;) 

Tenho um sorriso bobo....


(...)parecido com soluço
Enquanto o caos segue em frente
Com toda a calma do mundo

sábado, 5 de novembro de 2011



(...)somos como madressilva quando se enrola à volta do ramo da aveleira: uma vez a ela ligada e presa, ambas podem durar juntas eternamente, mas, se as querem separar, a madessilva morre em pouco tempo e o mesmo sucede à aveleira. Tal é o nosso caso: nem vós sem mim, nem eu sem vós!

Do filme Tristão E Isolda.

sábado, 29 de outubro de 2011



(Le silence éternel de ces espaces infinis m'effraie.)


Não facilite com a palavra amor.
Não a jogue no espaço, bolha de sabão.
Não se inebrie com o seu engalanado som.
Não a empregue sem razão acima de toda razão (e é raro).
Não brinque, não experimente, não cometa a loucura sem remissão
de espalhar aos quatro ventos do mundo essa palavra
que é toda sigilo e nudez, perfeição e exílio na Terra.
Não a pronuncie.





( Drummond) 

segunda-feira, 24 de outubro de 2011




‎"Meu amor virá por todos os poros
Da alma e se sobreporá a tez
Não trará da espera seu sentido de razão
Ainda será livre mesmo na sua entrega"

Cah Morandi

sexta-feira, 21 de outubro de 2011




Quando abro cada manhã a janela do meu quarto É como se abrisse o mesmo livro Numa página nova.

(Mário Quintana)

domingo, 16 de outubro de 2011



‎"Quem sabe Deus queira que você conheça muita gente errada antes que conheças a pessoa certa, para que quando afinal conheça esta pessoa saibas estar agradecido."

(Gabriel Garcia Marquez)

sábado, 15 de outubro de 2011


Eu, hoje, faço muito tempo. Sou lembrança. Um tom sépia, um cheiro de história contada por alguém numa cadeira de balanço, enquanto um e outro olhar atento tenta decifrar as memórias do que é antiguidade. Talvez meu lado de dentro seja um relicário...




(Jaya Magalhães)

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Dos Desencontros...


Sobrou desse nosso desencontro
Um conto de amor
Sem ponto final
Retrato sem cor
Jogado aos meus pés
E saudades fúteis
Saudades frágeis
Meros papéis
[Chico]

" Eeu? Tou fazendo Saudade.."


 [ A menina de Lá - Guimarães Rosa]

quarta-feira, 12 de outubro de 2011



Tentei não fazer nada na vida
que envergonhasse a criança que fui.

(José Saramago)

FELIZ DIA DAS CRIANÇAS!



Para aquelas que fazem jus à idade, E também para aquelas que são crianças eternas, no coração!

Das escolhas..


"Estar bem e feliz é uma questão de escolha e não de sorte ou mero acaso. É estar perto das pessoas que amamos, que nos fazem bem e que nos querem bem. É saber evitar tudo aquilo que nos incomoda ou faz mal, não hesitando em usar o bom senso, a maturidade obtida com experiências passadas ou mesmo nossa sensibilidade para isso. É distanciar-se de falsidade, inveja e mentiras. Evitar sentimentos corrosivos como o rancor, a raiva e as mágoas, que nos tiram noites de sono e em nada afetam as pessoas responsáveis por causá-los. É valorizar as palavras verdadeiras e os sentimentos sinceros que a nós são destinados. E saber ignorar, de forma mais fina e elegante possível, aqueles que dizem as coisas da boca para fora ou cujas palavras e caráter nunca valeram um milésimo do tempo que você perdeu ao escutá-las." 


(Friedrich Nietzsche)

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Quem inventou o amor?



Enquanto a vida vai e vem
Você procura achar alguém
Que um dia possa lhe dizer
-Quero ficar só com você

[Legião Urbana]

sábado, 8 de outubro de 2011

Quero essa herança ...




A minha herança pra você
É o amor capaz de fazê-lo tranqüilo
Pleno, reconhecendo o mundo
O que há em si .. ♪


[Vanessa da Mata]

As palavras fogem...



As palavras fogem
Se você deixar
O impacto é grande demais
Cidades inteiras nascem a partir daí
Violentam, enlouquecem ou me fazem dormir
Adoecem, curam ou me dão limites
Vá com carinho no que vai dizer...

[Vanessa da Mata]

Separação inexiste, se há força de amor e fé.
Sentir saudade é trazer, 
mais perto ainda, tudo que a gente pensa perdido.


Saudadear, dizia ele....

(Guimarães Rosa- " Primeiras estórias)

Sobre o arrepio..



O arrepio é quando,por serem tão leves,
seus dedos conseguem,
em cada um dos meus poros:
soerguer uma flor.


[Rita Apoena]

Preciso do teu silêncio
cúmplice sobre minhas falhas.
Não fale.


Um sopro, a menor vogal
pode me desamparar.
E se eu abrir a boca
minha alma vai rachar.


O silêncio, aprendo,pode construir.
É um modo denso/tenso
- de coexistir.
Calar, às vezes,é fina forma de amar.


(Affonso Romano de Sant'Anna)

                                                                 Foto: Lane.


Mania de jogar o cabelo pro lado. Mania de sorrir quando sente alguém olhando demais. Mania de coçar os olhos e olhar o visor do celular como se houvesse chegado alguma coisa e não viu. Mania de estudar escutando música e revirar os olhos sempre que escuta, ouve ou vê alguma bobagem. De sorrisos, de olhares, de vozes e cheiros. Mania de achar que nem tudo é aquilo que se vê. De imaginar situações com quem nunca viu e se arrepiar, sorrir, se desesperar por isso. Mania de fechar os olhos antes de dormir e te desejar boa noite em pensamento, dorme bem, sonha comigo, te quero muito e bem.

 [Caio Fernando Abreu]

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Do Querer..



Estou na caridade da evolução do meu ser. Quero ser menina, encontro-me Mulher... Quero ser mulher, vejo-me Menina... 


(Ferreira Gullar)