domingo, 24 de junho de 2012





Tenho sua filosofia no que tange viver a antítese dos conceitos "estereotipados" pela humanidade... parecer ter tudo e sentir não ter nada, ou parecer não ter nada, tendo tudo!! Digo "parecer", pois possuir pra mim é inerente à idéia própria e não à matéria ou status... Estar em meio a uma multidão e devorado pelo vazio da solidão... falar sem mesmo dizer: isso não me refiro a observar  gestos e olhares, mas ler o sentimento pela ausência de palavras...isso é um dom bonito...parafraseando a semântica, é como enxergar o interior de um amigo pela imagem do silêncio. Escutar sem ouvir ,ora é dádiva, ora ignorância...a harmonia vem da medida da conveniência...mas em qualquer caso exemplifica mais uma vez que "ser" por uma declaração exterior é o mínimo ante o que proclama o interior: a inteligência pertence muitas vezes ao desprovido de ciência... os verdadeiros príncipes carregam em si o semblante da humildade que lhes credita o título, e são ricos na pobreza! Sobre tudo eu poderia escrever que de fato "é" não significa "ser", pois não adianta ter uma coroa e um cetro de ouro sem ter o sentimento de reinar...


Maurício Júnior

sábado, 23 de junho de 2012

Tr-ama




"Um monte de pó formou-se no fundo da prateleira, por detrás da fila de livros. Os meu olhos não o vêem. É uma teia de aranha ao meu tacto.
É uma parte ínfima da trama a que chamamos história universal ou processo cósmico. É parte da trama que abarca estrelas, agonias, migrações, navegações, luas, pirilampos, vigílias, naipes, bigornas, Cartago e Shakespeare.
Também são parte da trama esta página, que acaba por não ser um poema, e o sonho que sonhaste ao alvorecer e que já esqueceste.
Há um fim na trama? Schopenhauer julgava-a tão insensata como as caras ou os leões que vemos na configuração de uma nuvem. Há um fim da trama? Esse fim não pode ser ético, já que a ética é uma ilusão dos homens, não das inescrutáveis divindades.
Talvez o monte de pó não seja menos útil para a trama do que as naus que carregam um império ou que o perfume do dado."


-"Os Conjurados" - Jorge Luís Borges

A arte livra-nos ilusoriamente da sordidez de sermos..



A arte livra-nos ilusoriamente da sordidez de sermos. Enquanto sentimos os males e as injúrias de Hamlet, príncipe da Dinamarca, não sentimos os nossos — vis porque são nossos e vis porque são vis.

O amor, o sono, as drogas e intoxicantes, são formas elementares da arte, ou, antes, de produzir o mesmo efeito que ela. Mas amor, sono, e drogas tem cada um a sua desilusão. O amor farta ou desilude. Do sono desperta-se, e, quando se dormiu, não se viveu. As drogas pagam-se com a ruína de aquele mesmo físico que serviram de estimular. Mas na arte não há desilusão porque a ilusão foi admitida desde o princípio. Da arte não há despertar, porque nela não dormimos, embora sonhássemos. Na arte não há tributo ou multa que paguemos por ter gozado dela.

O prazer que ela nos oferece, como em certo modo não é nosso, não temos nós que pagá-lo ou que arrepender-nos dele.

Por arte entende-se tudo que nos delicia sem que seja nosso — o rasto da passagem, o sorriso dado a outrem, o poente, o poema, o universo objectivo.

Possuir é perder. Sentir sem possuir é guardar, porque é extrair de uma coisa a sua essência.


Do livro do Desassossego .

quinta-feira, 21 de junho de 2012


"Que boca há de roer o tempo? Que rosto
Há de chegar depois do meu? Quantas vezes
O tule do meu sopro há de pousar
Sobre a brancura fremente do teu dorso?

Atravessaremos juntos as grandes espirais
A artéria estendida do silêncio, o vão
O patamar do tempo?

Quantas vezes dirás: vida, vésper, magna-marinha
E quantas vezes direi: és meu. E as distendidas
Tardes, as largas luas, as madrugadas agônicas
Sem poder tocar-te. Quantas vezes, amor

Uma nova vertente há de nascer em ti
E quantas vezes em mim há de morrer."

(Hilda Hilst)

quarta-feira, 20 de junho de 2012

O Jogo da Amarelinha...





Toco a sua boca, com um dedo toco o contorno da sua boca, vou desenhando essa boca como se estivesse saindo da minha mão, como se pela primeira vez a sua boca se entreabrisse, e basta-me fechar os olhos para desfazer tudo e recomeçar. Faço nascer, de cada vez, a boca que desejo, a boca que a minha mão escolheu e desenha no seu rosto, e que por um acaso que não procuro compreender coincide exatamente com a sua boca, que sorri debaixo daquela que a minha mão desenha em você.

Você me olha, de perto me olha, cada vez mais de perto, e então brincamos de cíclope, olhamo-nos cada vez mais de perto e nossos olhos se tornam maiores, se aproximam uns dos outros, sobrepõem-se, e os cíclopes se olham, respirando confundidos, as bocas encontram-se e lutam debilmente, mordendo-se com os lábios, apoiando ligeiramente a língua nos dentes, brincando nas suas cavernas, onde um ar pesado vai e vem com um perfume antigo e um grande silêncio. Então, as minhas mãos procuram afogar-se no seu cabelo, acariciar lentamente a profundidade do seu cabelo, enquanto nos beijamos como se tivéssemos a boca cheia de flores ou de peixes, de movimentos vivos, de fragância obscura. E se nos mordemos, a dor é doce; e se nos afogamos num breve e terrível absorver simultâneo de fôlego, essa instantânea morte é bela. E já existe uma só saliva e um só sabor de fruta madura, e eu sinto você tremular contra mim, como uma lua na água.







Júlio Cortázar 
Tradução Fernando de Castro Ferro.

terça-feira, 19 de junho de 2012

Saudade(ando)...





Tua saudade 

Que fosse metade minha

Que me encontrasse

Como as horas encontram o dia ...



[T.M.]











domingo, 17 de junho de 2012

Maria Callas a Aristóteles Onassis...


"Alinhavar as células uma a uma
até termos um lençol de uivos
caído sobre o ar. Por amor, entregar
a voz, o corpo e a alma. Por amor,
desmaiar sobre o palco com a
depressão a escorrer-nos dos poros.

Tecer a pele e de súbito dizer:
dobra bem nas pontas a fome -
para que se ouça por dentro do gelo
a chama desabrigada dos dedos.
Por amor, entregar a voz, o corpo
e a alma. Desafinar até ao silêncio.

Tactear coma ponta dos calos
as rugas do tempo e no fim suspirar
de alívio. Afinal foi só desmaio.
Estamos vivos e insaciáveis como
as sombras quando adormecem
no colo do sangue. Por amor,
entregar a voz. Por amor entregar."

-"Dança das Feridas" - Henrique Bento Fialho

sábado, 16 de junho de 2012

Das Descobertas..







"Entre outras coisas, você vai descobrir que não é a primeira pessoa a ficar confusa e assustada, e até enjoada, pelo comportamento humano. Você não está de maneira nenhuma sozinho nesse terreno..."


Livro: O apanhador no campo de centeio - J. D. Salinger




Matar o sonho é matarmo-nos. É mutilar a nossa alma. O sonho é o que temos de realmente nosso, de impenetravelmente e inexpugnavelmente nosso.

O Universo, a Vida – seja isso real ou ilusão – é de todos, todos podem ver o que eu vejo, e possuir o que eu possuo – ou, pelo menos, pode conceber-se vendo-o e possuindo.

Mas o que eu sonho ninguém pode ver senão eu, ninguém a não ser eu possuir. E se do mundo exterior o meu vê-lo difere de como outros o vêem, isso vem de que do sonho meu eu ponho em vê-lo, sem querer, do que do sonho meu se cola a meus olhos e ouvidos.

– Bernardo Soares


sábado, 2 de junho de 2012

Para lá.



Para lá de todas as coisas amáveis,
para lá de todas as coisas desejáveis,
a tua nudez na ponta dos meus dedos,
uma bola de fumo pairando sobre o piano
e cada poro teu tocado como se fosse
uma tecla, uma tecla emitindo o som
de cordas surdas, as tuas veias, cada
um dos teus nervos, e eu enredado
em ti como o insecto na teia da aranha,
para lá de todas as coisas definíveis,
os contornos do teu corpo à luz
de um tecido transparente, beleza
incomparável acossada pela fealdade
das notas, dos acordes atonais, para
lá de ti, para lá de mim, a paixão
capturada pelas máquinas fotográficas,
projectada numa tela à velocidade
iludente do cinema, para lá das salas,
para lá da luz, nós os dois denegridos,
deitados no quarto escuro da paixão.



Queria escrever um poema com o teu silêncio,
decifrar-te as sensações enquanto te massajo
o corpo com óleo de amêndoas doces,
escutar os desejos que circulam no teu sangue
sempre que das massagens passamos à mordedura,
ao beijo, ao corpo comparecendo ao corpo.
Nada de segredos sussurados ao ouvido.
Queria transformar cada gemido numa palavra,
num verso, e aprender a ler nos músculos
do teu rosto o prazer com que cada um de nós sente,
à sua maneira, a ferida que está na origem da beleza.

(H.M.B.F)

Suave..



Não digas nada!
Nem mesmo a verdade
Há tanta suavidade em nada se dizer
E tudo se entender -
Tudo metade
De sentir e de ver…
Não digas nada
Deixa esquecer

Talvez que amanhã
Em outra paisagem
Digas que foi vã
Toda essa viagem
Até onde quis
Ser quem me agrada…
Mas ali fui feliz
Não digas nada.

- Fernando Pessoa