“Foi um momento o em que pousaste sobre o meu braço, 
num movimento mais de cansaço que pensamento, a tua mão, e a retiraste. 
Senti ou não? Não sei. Mas lembro e sinto ainda qualquer memória fixa e corpórea onde pousaste a mão que teve qualquer sentido incompreendido, mas tão de leve!.. Como se tu, sem o querer, em mim tocasses para dizer qualquer mistério, súbito e etéreo,
que nem soubesses que tinha ser.” 


(Fernando Pessoa)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da amizade.