sábado, 28 de abril de 2012



Quando estás vestidas,
Ninguém imagina
Os mundos que escondes
Sob as tuas roupas.

Bandeira.

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Paisagem pelo Telefone..



Sempre que no telefone 
me falavas, eu diria 
que falavas de uma sala 
toda de luz invadida, 
sala que pelas janelas, 
duzentas, se oferecia 
a alguma manhã de praia, 
mais manhã porque marinha, 
a alguma manhã de praia 
no prumo do meio-dia, 
meio-dia mineral 
de uma praia nordestina, 
Nordeste de Pernambuco, 
onde as manhãs são mais limpas, 
Pernambuco do Recife, 
de Piedade, de Olinda, 
sempre povoado de velas, 
brancas, ao sol estendidas, 
de jangadas, que são velas 
mais brancas porque salinas, 
que, como muros caiados 
possuem luz intestina, 
pois não é o sol quem as veste 
e tampouco as ilumina, 
mais bem, somente as desveste 
de toda sombra ou neblina, 
deixando que livres brilhem 
os cristais que dentro tinham. 
Pois, assim, no telefone 
tua voz me parecia 
como se de tal manhã 
estivesses envolvida, 
fresca e clara, como se 
telefonasses despida, 
ou, se vestida, somente 
de roupa de banho, mínima, 
e que por mínima, pouco 
de tua luz própria tira, 
e até mais, quando falavas 
no telefone, eu diria 
que estavas de todo nua, 
só de teu banho vestida, 
que é quando tu estás mais clara 
pois a água nada embacia, 
sim, como o sol sobre a cal 
seis estrofes mais acima, 
a água clara não te acende: 
libera a luz que já tinhas.

sábado, 14 de abril de 2012




(…) eu começo, a sentir a embriaguez a que essa vida agitada e tumultuosa me condena. Com tal quantidade de objetos desfilando diante de meus olhos, eu vou ficando aturdido. De todas as coisas que me atraem, nenhuma toca meu coração, embora todas juntas perturbem meus sentimentos, de modo a fazer que eu esqueça o que sou e qual meu lugar.”

(Jean-Jacques Rousseau. Livro “A nova Heloísa”.)

sábado, 7 de abril de 2012

É necessário abrir os olhos..




É necessário abrir os olhos e perceber que as coisas boas estão dentro de nós, onde os sentimentos não precisam de motivos nem os desejos de razão. O importante é aproveitar o momento e aprender sua duração, pois a vida está nos olhos de quem sabe ver.


Johnny Welch.





PS: A autoria desse texto é geralmente atribuída à Gabriel Garcia Marquez, mas segundo algumas fontes, o autor verdadeiro é Johnny Welch.

quinta-feira, 5 de abril de 2012




"... sejamos delicados e se necessário for, cruelmente delicados..." 

Affonso Romano de Sant'Anna