segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012



Há palavras assim, que se ouvem e dizem para acalmar. Eu as chamo de amor, para simplificar




|vanessa Leonardi|

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Da Entrega....




O amor, devagarinho, esgarça o tecido que veste as nossas defesas e deixa a nossa alma toda de fora. Depois, sorri, encantado, diante da beleza singular da nossa nudez.


|Ana Jácomo|

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012



Foi capaz de interromper o voo de um pássaro botando ponto final na frase.


[Manoel de Barros]

A mãe reparou que o menino gostava mais do vazio do que do cheio.
Falava que os vazios são maiores e até infinitos.


[Manoel de Barros]

domingo, 5 de fevereiro de 2012





"Você  acabou de fazer 82 anos. Continua bela, graciosa e desejável.
Faz cinquenta e oito anos que vivemos juntos e, eu amo você mais do que nunca...
Eu vigio a sua respiração, minhã mão toca você.
Nós desejaríamos não sobreviver um à morte do outro. Dissemo-nos 
sempre, por impossível que seja, que se tivéssemos  uma segunda vida,
iríamos querer passá-la juntos"







[André Gorz em carta endereçada à Esposa. Trecho publicado na revista SESC: Ano 3, Nº 2, 2011, achei de imensa beleza.]

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012


"Tu, porém, terás estrelas como ninguém nunca as teve... Quando olhares o céu de noite, eu estarei habitando uma delas, e de lá estarei rindo ; então será, para ti, como se todas as estrelas rissem! Dessa forma, tu, somente tu, terás estrelas que sabem rir!”




|O Pequeno Príncipe|


Vou ser Palhaço..








'O riso é o início da oração.'




|Rubem Alves|

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

O encanto alivia a existência....


Ainda bem que o tempo passa! Já imaginou o desespero que tomaria conta de nós se tivéssemos que suportar uma segunda feira eterna?
A beleza de cada dia só existe porque não é duradoura. Tudo o que é belo não pode ser aprisionado, porque aprisionar a beleza é uma forma de desintegrar a sua essência. Dizem que havia uma menina que se maravilhava todas as manhãs com a presença de um pássaro encantado. Ele pousava em sua janela e a presenteava com um canto que não durava mais que cinco minutos. A beleza era tão intensa que o canto a alimentava pelo resto do dia. Certa vez, ela resolveu armar uma armadilha para o pássaro encantado. Quando ele chegou, ela o capturou e o deixou preso na gaiola para que pudesse ouvir por mais tempo o seu canto.
O grande problema é que a gaiola o entristeceu, e triste, deixou de cantar.
Foi então que a menina descobriu que, o canto do pássaro só existia, porque ele era livre. O encanto estava justamente no fato de não o possuir. Livre, ele conseguia derramar na janela do quarto, a parcela de encanto que seria necessário, para que a menina pudesse suportar a vida. O encanto alivia a existência...Aprisionado, ela o possuia, mas não recebia dele o que ela considerava ser a sua maior riqueza: o canto!
Fico pensando que nem sempre sabemos recolher só encanto... Por vezes, insistimos em capturar o encantador, e então o matamos de tristeza.
Amar talvez seja isso: Ficar ao lado, mas sem possuir. Viver também.
Precisamos descobrir, que há um encanto nosso de cada dia que só poderá ser descoberto, à medida em que nos empenharmos em não reter a vida.
Viver é exercício de desprendimento. É aventura de deixar que o tempo leve o que é dele, e que fique só o necessário para continuarmos as novas descobertas.
Há uma beleza escondida nas passagens... Vida antiga que se desdobra em novidades. Coisas velhas que se revestem de frescor. Basta que retiremos os obstáculos da passagem. Deixar a vida seguir. Não há tristeza que mereça ser eterna. Nem felicidade. Talvez seja por isso que o verbo dividir nos ajude tanto no momento em que precisamos entender o sentimento da tristeza e da alegria. Eles só são suportáveis à medida em que os dividimos...
E enquanto dividimos, eles passam, assim como tudo precisa passar.
Não se prenda ao acontecimento que agora parece ser definitivo. O tempo está passando... Uma redenção está sendo nutrida nessa hora...
Abra os olhos. Há encantos escondidos por toda parte. Presta atenção. São miúdos, mas constantes. Olhe para a janela de sua vida e perceba o pássaro encantado na sua história. Escute o que ele canta, mas não caia na tentação de querê-lo o tempo todo só pra você. Ele só é encantado porque você não o possui.
E nisto consiste a beleza desse instante: o tempo está passando, mas o encanto que você pode recolher será o suficiente para esperar até amanhã, quando o pássaro encantado, quando você menos imaginar, voltar a pousar na sua janela.

E ser-á assim..



Deixei de me por de lado, pra ser protagonista da minha história. Chega de me doar, chega de me doer, já dizia Caio.
Os olhos, carregados de amor, passam primeiro por mim. Me investigo, me acarinho, me visto de coragem, me cubro de ternuras. Analiso o que há de melhor e pior em mim. Boto tristezas pra dormir, faço faxinas de tirar todos os sentimentos do lugar, abro todos os cômodos do coração, pra deixar só a leveza tomar espaço. Depois o outro. Depois, aquele que precisa de mim. Porque se eu não o fizer, se eu não me tratar com respeito, eu não estarei pronta para ninguém.
É preciso um baita amor pela gente, sim, todo santo-dia, pra não desistir. Num mundo em que a falta de sol toma conta, é tempo de voltar-se pra dentro e trazer de lá uma luz qualquer.

(Cris Carvalho)

Das alegriazinhas..



Deus
nos dá pessoas e coisas, para aprendermos a alegria... Depois, retoma coisas e pessoas para ver se já somos capazes da alegria sozinhos... Essa... a alegria que ele quer."


(Guimarães Rosa)

É saber...


Estar bem e feliz é uma questão de escolha e não de sorte ou mero acaso. É estar perto das pessoas que amamos, que nos fazem bem e que nos querem bem. É saber evitar tudo aquilo que nos incomoda ou faz mal, não hesitando em usar o bom senso, a maturidade obtida com experiências passadas ou mesmo nossa sensibilidade para isso. É distanciar-se de falsidade, inveja e mentiras. Evitar sentimentos corrosivos como o rancor, a raiva e as mágoas, que nos tiram noites de sono e em nada afetam as pessoas responsáveis por causá-los. É valorizar as palavras verdadeiras e os sentimentos sinceros que a nós são destinados. E saber ignorar, de forma mais fina e elegante possível, aqueles que dizem as coisas da boca para fora ou cujas palavras e caráter nunca valeram um milésimo do tempo que você perdeu ao escutá-las.

(Friedrich Nietzsche)